red light

By: Kleiton Renzo

- será que ele percebeu? - acho que sim. vê como ele mexe nos cabelos. está nos comendo com o canto dos olhos. - sim. grisalho, pouco mais de 40 anos, calça jeans, sobretudo, camiseta largada e um copo de whisky puro. - nem te ilude, isso é puro misancene. tá com esse copo tem duas horas e não saiu uma gota. tem cara que bebe cerveja. - não interessa. é meu ou seu? - ah, não sei. ando sem paciência pra todo aquele jogo: ...

Florbela Espanca, Amar!

By: Kleiton Renzo

A primeira vez que li Florbela Espanca já estava na adolescência, perdido entre livros da coluna de literatura da Escola Técnica Federal do Amazonas, hoje IFAM. Idos de 99. "Amar!" foi um daqueles sonetos que durante algum tempo, sempre que possível, era (re) lido, (re) sentido, (re) significado, relembrado. Foi com grande satisfação que depois percebi que o Raimundo Fagner tinha musicado poemas dela e o resultado vocês já conhecem.

red light

By: Kleiton Renzo

- será que ele percebeu? - acho que sim. vê como ele mexe nos cabelos. está nos comendo com o canto dos olhos. - sim. grisalho, pouco mais de 40 anos, calça jeans, sobretudo, camiseta largada e um copo de whisky puro. - nem te ilude, isso é puro misancene. tá com esse copo tem duas horas e não saiu uma gota. tem cara que bebe cerveja. - não interessa. é meu ou seu? - ah, não sei. ando sem paciência pra todo aquele jogo: oi, posso sentar aqui, você é da cidade, tem cara de um homem ocupado... sinceramente, vai você. o próximo é meu. - mas esse já é o próximo... - Ramona, pare de ser implicante.

Florbela Espanca, Amar!

By: Kleiton Renzo

A primeira vez que li Florbela Espanca já estava na adolescência, perdido entre livros da coluna de literatura da Escola Técnica Federal do Amazonas, hoje IFAM. Idos de 99. "Amar!" foi um daqueles sonetos que durante algum tempo, sempre que possível, era (re) lido, (re) sentido, (re) significado, relembrado. Foi com grande satisfação que depois percebi que o Raimundo Fagner tinha musicado poemas dela e o resultado vocês já conhecem.

JJ GREY & MOFRO

By: Kleiton Renzo

outro dia escutei esses caras na season finale de House of Cards. e quando não é grande a surpresa de escutar alguma coisa nova que instiga boas sensações. esses caras são isso. escutem sem moderação.

On my mind, baby.

By: Kleiton Renzo

outro dia eu olhava aquelas fotos. elas me lembram de uma época em que eu não tinha tantos cabelos brancos. parece que aquele sorriso me deixava mais leve. será? engraçado rever essas fotos. não lembro quando as coloquei nessa caixa e fechei com esse selo. engraçado é achar que isso é algo engraçado. quanto tempo deixei isso trancado aqui em cima? outro dia me vi perdido nessas lembranças. as coisas parecem ficar menos distorcidas quando não tomo a medicação. outro dia ele disse que eu precisava tomar duas. não entendi bem o porquê. tomei. hoje acordei sem sono. r.  

let my heart go

By: Kleiton Renzo

ou você toma jeito, ou nada feito. ela gritou naquela noite sem mais nem menos. eu fiquei sem saber do que se tratava, afinal não era a primeira vez que ela rememorava qualquer coisa do século XIII. amor, o que tá rolando? nada, ela disse. agora a porra ficou séria, eu pensei. por que você continua, ela insistiu. e eu percebi que tinha menos de cinco minutos pra ir e voltar do século XIII e descobrir o que tava acontecendo. olhei na dispensa, peguei o plutônio e as chaves do Delorean. r.

He´s got the whole world in his hands

By: Kleiton Renzo

outro dia eu olhava aquele homem andando de cabeça baixa e valise debaixo do braço. por duas vezes ele parou. por duas vezes vacilou. não sei o que passava pela cabeça daquele homem. nem de onde ele vinha ou pra onde estava indo. mas seu andar compassado, lento, ritmado, denunciava um homem sem pressa. do alto do sétimo andar aquele homem não era mais que um ponto cinza que cruzava meu horizonte todo fim de tarde em direção ao seu próprio destino. r. [caption id="attachment_37" align="alignnone" width="623"] Operários, de Tarsila do Amaral.[/caption]

Nina Simone, trilha da vida.

By: Kleiton Renzo

Seja o que for que alguém possa concluir sobre minha música, seja o que for que alguém sinta por ela, saiba que a perturbação que ela provoca é também parte da perturbação do ouvinte. Tudo o que você ouve nessa música é absolutamente verdadeiro. [Nina Simone]

Carpinteiro do universo, eu sou.

By: Kleiton Renzo

tardiamente, talvez, começo a compartilhar com meia dúzia de leitores alguns devaneios em textos. há braços. r.